Notícias às 12:00

Mariah Carey briga com Jay-Z e’ muda de empresário

Reprodução/Instagram

Como noticiado pelo OFuxico, na última segunda-feira (7), Mariah Carey não faz mais parte da “Roc Nation”, gravadora e agência de entretenimento do rapper Jay-Z. Mas nesta terça-feira (8), a história ganhou mais um capítulo e o TMZ revelou a empresa para a qual Mariah teria “se bandeado”.

Trata-se da “Range Media Partners”, uma empresa muito menor que a “Roc Nation”, cuja cada equipe, como marketing e mídia social, conta com cerca de 20 pessoas. Assim, Mimi teria seguido os passos de sua empresária de longa data, Melissa Ruderman, que fez tal troca no começo do ano.

Focada na dramaturgia, a “Range” possui no catálogo de clientes nomes famosos, incluindo Anna Kendrick, Bradley Cooper, Emilia Clarke, Johnny Depp, Taron Egerton, Michael Fassbender, Tom Hardy e Keira Knightley. Com Mariah, a companhia estreia na música.

Vitoriosa

Mariah Carey respondeu ao processo por difamação que seu irmão Morgan abriu contra ela no começo do ano. A cantora alega em sua resposta que era do interesse público falar sobre ele em suas memórias de 2020. 

Morgan Carey entrou com uma ação legal contra a cantora depois que ele alegou que ela incluiu “falsidades maliciosas” sobre ele em seu livro, ‘The Meaning of Mariah Carey’, lançado no ano passado. 

Morgan acusou Mariah de difamação, causando intencionalmente a ele ‘sofrimento emocional’ após o lançamento do livro, no qual Mariah relatou uma luta violenta entre Morgan e seu pai, e disse que seu irmão foi internado quando era mais jovem. 

Mariah também escreveu em seu livro que ‘nunca se sentiu segura’ perto de seu ‘irmão problemático’ por causa de sua raiva ‘imprevisível’. 

Mas agora, a cantora já entrou com papéis no Supremo Tribunal de Manhattan para declarar que ela não difamou Morgan, uma vez que a mensagem do livro de seu triunfo pessoal sobre a adversidade é uma questão de interesse público. 

Segundo o site TMZ, o processo foi arquivado porque não atende aos requisitos de difamação e Morgan não conseguiu provar sua reivindicação. 

Nos documentos, os advogados da cantora anotaram: “A história da ascensão da Sra. Carey de um ambiente familiar disfuncional e às vezes violento tem um valor público significativo, especialmente para qualquer jovem que possa se encontrar preso em circunstâncias igualmente duras e desanimadoras e que pode beneficiar da inspiração para empregar seus talentos na busca de seus sonhos.” 

No processo original de Morgan, o homem alegou que, como resultado da publicação do livro de memórias, ele sofreu extrema ‘angústia mental, indignação, ansiedade severa sobre seu futuro e sua capacidade de sustentar a si mesmo e sua família, danos à sua reputação e sua capacidade de ganho, constrangimento entre seus amigos e associados, perturbação de sua vida pessoal e perda de gozo dos prazeres comuns da vida cotidiana’. 

Processo

Depois de ser processada por sua irmã Alison, por causa de seu livro biográfico ‘The Meaning of Mariah Carey’, a cantora também foi processada por seu irmão Morgan. 

Segundo a revista Variety noticiou em março passado, alegando que ele decidiu tomar medidas legais por difamação e intenção de causar danos emocionais por causa da autobiografia de 2020 da cantora, que ele disse conter “comentários falsos” sobre a vida dele. 

Documentos obtidos pela publicação afirmam: “Morgan entra com essa ação totalmente desapontado pela traição de sua irmã e pela falsidade dela para com eles. Ele não tem inveja do sucesso artístico e pessoal de sua irmã, ele tem seu próprio sucesso pessoal e profissional e sempre desejou o melhor para ela”. 

O processo inclui algumas passagens do livro que Morgan diz que são mentiras. 

“Ele sofre de extrema angústia mental, raiva, ansiedade extrema sobre seu futuro e sua habilidade como provedor de sua família. Morgan teme pela sua reputação e capacidade, se sente envergonhado em meio aos seus amigos e familiares por ter tido sua vida pessoal perturbada e agora perdeu a alegria dos prazeres da vida”, diz o documento. 

Entre as partes do livro que Morgan citou, está a história da cantora de 51 anos sobre uma briga violenta dele com seu pai.

Mariah também escreveu que “nunca se sentiu segura” perto de seu “irmão problemático” por causa da “raiva imprevisível” dele. 

E o processo diz que o dano causado pela cantora ‘foi intencional’, citando uma entrevista anterior que ela deu a Oprah Winfrey: 

“Ela tentou prejudicar o requerente, dizendo que ‘ele começou’. Ela também se referiu publicamente a ele como ‘ex irmão'”. 

Morgan não quer uma quantia específica, mas quer que os danos sejam reparados por “determinação judicial”. 

No passado, Morgan chamou Mariah de ‘monstro’ por ser insensível aos problemas de sua irmã Alison, que é HIV positiva, e não querer ajudá-la.