Polêmica às 17:15

Marina Ruy Barbosa é apontada como alvo de indireta polêmica feita por Samantha Schmütz

montagem com foto de samantha schmuz sorrindo e marina ruy barbosa séria
(Reprodução: Instagram)

Após Samantha Schmütz gerar novas polêmicas na web com uma declaração no Twitter, em que a atriz cita artistas que gastaram seu tempo “desfilando em Cannes”, famoso festival de exposição de filmes, mas não se manifestam sobre questões de desmonte cultural no país devido descasos governamentais com investimentos e manutenção de centros culturais, visto o incêndio da Cinemateca que ocorreu na última quinta-feira, 29 de julho.

Veja+: Entenda o racha no mundo dos famosos

“E kd as beldades que foram pra Cannes desfilar vestidos e jóias?????? Não vão defender o cinema ????? Pseudos artistas que usurpam a arte para fazerem coisas periféricas e no fundo não estão nem aí pro cinema nacional !!!! Ao invés de Cannes ano que vem deveriam ir em Cana!”, escreveu Schmütz na ocasião.

Veja+: Ludmilla alfineta Samantha Schmütz

Acontece que, uma das atrizes mais famosas que esteve em Cannes, desfilando durante dias em promoção de marcas, foi Marina Ruy Barbosa. É claro que o fato não passou despercebidos pelos internautas que, na tarde desta sexta-feira, 30 de julho, fizeram com o nome da ruiva se tornasse um dos mais comentados no Twitter ao repercutirem o assunto. Além de Marina, outros nomes foram citados como Isabeli Fontana, Izabel Goulart e Camila Coelho, que também estiveram no Festival.

Até mesmo Chris Flores, do programa “Fofocalizando”, do SBT, não ficou de fora da briga e deu sua opinião: “Marina não quer se envolver com política, ela só se envolve com político”, disparou a jornalista, referindo-se ao histórico amoroso da atriz com políticos. Inclusive, em Cannes, ela foi vista com um deputado federal, apontado como seu novo affair.

Veja algumas das reações sobre as indiretas de Samantha:

A INDIRETA

A tragédia que aconteceu na Cinemateca de São Paulo abalou historiadores, cinéfilos, profissionais da arte e tantas outras pessoas, como Samantha Schmütz, que manifestou-se publicamente nesta sexta-feira, 30 de julho, no Twitter.

“‘Artistas’ que ajudaram a eleger esse monstro e não se manifestam em relação ao incêndio criminoso da Cinemateca, deveriam ser proibidos de pisar num set [de filmagem] para o resto da vida!”, escreveu.

E não parou por aí! Samantha continuou e criticou artistas que estiveram no Festival de Cannes, que não protegem a arte da qual fazem parte, dando uma alfinetada bem dura.

“E cadê as beldades que foram pra Cannes desfilar vestidos e jóias?????? Não vão defender o cinema????? Pseudo artistas que usurpam a arte para fazerem coisas periféricas e no fundo não estão nem aí pro cinema nacional!!!! Ao invés de Cannes ano que vem deveriam ir em Cana!”, disse, direta.

A atriz não apontou nomes nem ninguém em específico, mas Marina Ruy Barbosa esteve em Cannes justamente como um projeto publicitário para marcas, inclusive a qual ela fundou, a “Ginger”.

INCÊNDIO NA CINEMATECA

Infelizmente a última quinta-feira, 29 de julho, chegou ao anoitecer com uma triste notícia. A Cinemateca Brasileira, localizada em São Paulo, pegou fogo. O incêndio atingiu o galpão da instituição e precisou de 70 bombeiros e dezoito viaturas ao todo para conter o fogo. Não houve registro de vítimas. 

De acordo com a  bombeira militar Karina Paula Moreira, o incêndio teria começado por voltas das 18h em uma sala do acervo histórico de filmes, no 1º andar, durante a manutenção do ar condicionado conduzida por empresa terceirizada pelo Governo Federal, informou o UOL.

Vele ressaltar que este não é o prédio principal, que fica na Vila Clementino, na capital paulista, e é o maior museu do audiovisual e do cinema da América do Sul, administrado pelo Ministério do Turismo.

Ainda não se sabe o tamanho do dano, mas o galpão continha cerca de 2 mil cópias de filmes. A grande maioria desse material eram películas bem antigas feitas em acetato, material extremamente inflamável. O incidente, aliás, foi considerado por profissionais do audiovisual uma “tragédia anunciada”, devido ao descaso do governo Jair Bolsonaro (sem partido) com as políticas culturais.

Em julho de 2020, o Ministério Público de São Paulo ajuizou uma ação contra o governo federal por “abandono” da Cinemateca, questionando a retenção de recursos e a ausência de um gestor. Em julho, a instituição parou de funcionar e 41 funcionários foram demitidos.

Em abril deste ano, um “Manifesto dos Trabalhadores da Cinemateca Brasileira” alertava para o “risco de incêndio”, devido à falta de cuidado com “o acervo, os equipamentos, as bases de dados e a edificação da instituição”.