Notícias às 19:52

Vídeo: Luciano Szafir se emociona e agradece orações

Luciano Szafir foto de rosto

Reprodução/Instagram

Ainda se recuperando da Covid-19, após ter ficado internado por mais de um mês em hospital, Luciano Szafir decidiu gravar um vídeo para conversar com os fãs. Na tarde desta quinta-feira, 29 de julho, Szafir usou o Instagram para agradecer pelas orações.

“Estou em casa, no meu 4º dia, extremamente feliz. Estou fazendo meus exercícios, estou em recuperação e ela é lenta, é um dia de cada vez. Quero agradecer cada um de vocês, os pensamentos positivos, todos os grupos de orações. Agradecer principalmente a Deus, que me deu uma segunda chance”, iniciou.

Szafir continuou: “Agradecer minha família, que sofreu bastante nesse processo. Minha mulher, meus filhos, minha mãe, meus irmãos. Agradecer a todos na linha de frente do Covid, que trabalham com tanto amor por todos nós. Então muito obrigado de coração.”

Veja +: Sasha e Xuxa comemoraram a recuperação de Luciano Szafir

ACHEI QUE EU IA EMBORA”

Luciano Szafir, de 52 anos, teve alta no sábado, 24 de julho e finalmente voltou para casa para reencontrar seus filhos Mikael e Davi, de 7 e 6 anos, frutos de seu casamento com Luhhana Melloni Szafir. Na noite de domingo, 25 de julho,  o ator e apresentador conversou com a repórter Renata Capucci do “Fantástico” e falou de sua batalha contra o estado gravíssimo da doença, dos medos e incertezas vividos dia após dia e da alegria de ser um sobrevivente.

O ator começou sua conversa emocionado: “Não dá para descrever o quão próximo eu achei que eu ia embora”.

Szafir relembrou seu caso, que começou com sintomas leves no dia 15 de junho, dia em que o Rio de Janeiro iniciou a vacinação de pessoas com 52 anos de idade. Por conta dos sintomas ele foi aconselhado por seu médico a não tomar se vacinar naquele dia. E foi nesse dia que ele iniciou sua luta contra a doença.  

Esta foi a segunda vez que Luciano enfrentou a doença. A primeira foi em fevereiro, quando ele ficou isolado por 17 dias e conseguiu se curar sem enfrentar episódios de internação ou maior gravidades.

UM CASO GRAVE E INESPERADO

Porém a segunda vez tudo foi muito diferente. “Febre alta, um pouco de falta de ar e ele foi internado no hospital no dia 22 de junho já com diagnóstico de Covid e precisando de oxigênio”, explicou o pneumologista e diretor-geral do Copa Star, João Pantoja.

Szafir confirmou para a repórter que sempre levou essa doença muito a sério e se cuidava com extrema cautela. Ele não sabe dizer como ou onde pegou a doença.

Sobre a evolução da doença Dr. Pantoja explicou que o comprometimento pulmonar de Luciano saltou rapidamente de 25%, para 50%, e logo veio o primeiro susto. No dia 2 de julho, ele desenvolveu um quadro de embolia pulmonar, começou a reagir bem aos anticoagulantes, mas quatro dias depois foi surpreendido por uma dor abdominal súbita. Após exames descobriu-se que ele tinha perfurado uma alça intestinal e tinhas sangue na cavidade abdominal”. A solução foi uma cirurgia realizada às pressas.

Questionado pela jornalista sobre o que passava por sua cabeça nos momentos mais difíceis, no hospital ele desabafou: “Literalmente impotente. Nossa o intubar foi a pior coisa, pânico. Eu pensei eu não sei se daqui eu saio […] São duas lutas, contra o vírus e contra a cabeça. O tempo todo pensava nos meus filhos, na minha mulher, família. É muito difícil você ver quem você ama e saber que você pode  deixar a qualquer instante”.

Dias após a cirurgia Luciano teve um sangramento no local da colostomia e passou por uma segunda cirurgia, menos invasiva para evitar o risco de novos coágulos no pulmão. Segundo Dr. Pantoja o ator enfrentou risco de morte mais de uma vez.

Luciano Szafir reafirmou a seriedade da doença e falou sobre o que passava por sua cabeça nos momentos mais graves: “Do dia pra noite essa doença pode mudar. Tem milhões de casos que não tiveram essa segunda chance, alias, segunda, terceira e quarta. […] Foi a pior coisa da min há vida, senti muita dor, senti pânico, senti varias vezes que eu não iria passar de 15 minutos. E isso não é fácil ”.