Polêmica às 15:05

Caso de racismo envolvendo o atleta Arthur Nory e Ângelo Assumpção ressurge na web com novas revelações

montagem com foto de arthur nory e ângelo assumpção

(Reprodução: Instagram)

Em 2015, Arthur Nory foi acusado por crime racial após ser exposto na web vídeos em que o atleta aparecia dizendo frases deliberadamente racistas, com piadas do tipo: “Seu celular quebrou: a tela quando funciona é branca… Quando ele estraga é de que cor?” e “O saco do supermercado é branco, o de lixo é preto, por quê?”, ditas para o colega de categoria ginástica Ângelo Assumpção.

Veja+: Marta está prestes a atingir novo recorde nas Olimpíadas

Agora, em 2021, o caso novamente ressurgiu na mídia, depois de Arthur ser eliminado no primeiro dia de competição de ginástica durante as Olimpíadas de Tóquio 2020. O atleta atribuiu seu baixo desempenho a constante onda de críticas e rejeição que recebe por parte do público brasileiro devido ao caso de 2015. Anteriormente, Ângelo já havia se queixado publicamente de como sua carreira estagnou após a denúncia de racismo, enquanto Arthur continuou avançando em competições. Assumpção foi demitido em 2019; Arthur Nory foi punido e afastado após a exposição do episódio mas segue competindo com o comitê olímpico.

Veja+: Perto das finais, Simone Biles desiste das Olimpíadas Tóquio 2020

NOVAS REVELAÇÕES

No entanto, novos nomes surgiram na história após a recente queixa de Nory. Gabriel Alves, ginasta que também já treinou tanto com Arthur quanto com Ângelo, resolveu se manifestar após as últimas notícias acerca do caso. Gabriel contou que a amizade de Nory e Assumpção envolvia “brincadeiras” de ambos os lados, com Arthur fazendo piadas racistas com o amigo e Ângelo proferindo supostas frases homofóbicas, tanto para Arthur quanto para outros colegas do Esporte Clube Pinheiros, onde todos treinavam.

“Treino ao lado do Nory, assim como já treinei e morei ao lado do Ângelo! Fiquei por um tempo alojado na república do clube (Esporte Clube Pinheiros) onde o Ângelo também morava! Talvez com alguém que viveu e presenciou tudo ao lado dos dois, vocês consigam abrir o olho e enxergar direitinho cada lado desse caso! Olhar todos os fatores e ver quem realmente eles são!”, começou dizendo Gabriel.

“Entrei no clube em 2014, tinha apenas 9 anos! Quando comecei a me aproximar mais da seleção adulta do clube começaram os apelidos e as “brincadeiras” de mau gosto comigo! Todos dados pelo Ângelo!!! Em 2014, ainda antes do caso do racismo, Ângelo me apelidou de “Rebeca Blackout” e de “Leona” era assim que ele me chamava, nunca pelo meu verdadeiro nome!”, continuou.

“Quando entrei no clube eu tinha o dente da frente quebrado, ainda em 2014! E o Ângelo me comparava com os garotos, alegando que eu era parecido com os dois! Não só na aparência mas tbm no jeito de “viado” como ele dizia!”, disse o ginasta, se referindo a Rebeca e Leona, dois personagens virais da web.

Gabriel ainda esclareceu que Arthur e Ângelo sempre foram melhores amigos e, quando o vídeo de Nory surgiu na web, o mesmo se desculpou, porém Assumpção nunca teve suas falas também expostas. Também segundo ele, Ângelo continuou com seu mesmo comportamento e apresentou cada vez mais um rendimento mais baixo durante treinos, o que resultou no declínio de sua carreira esportiva.

Nas redes sociais, internautas tiveram reações diversas com as novas revelações do caso. Enquanto alguns defendiam Nory, outros alegavam que, mesmo que cabíveis a punição, as atitudes de Ângelo não apagavam o racismo sofrido pelo esportista, com ambas as falas homofóbicas e racistas sendo inaceitáveis dentro do caso.

Vinicius Reis, outro atleta que treinou ao lado de Gabriel, Arthur e Ângelo no Esporte Clube de Pinheiros, alegou que também sofreu com comentários depreciativos e atitudes homofóbicas de Ângelo. Reis chegou a publicar um vídeo no Twitter de uma das situações desagradáveis que passou com o colega:

Nos últimos dias, a ex-ginasta Daiane dos Santos, em entrevista à revista Marie Claire, também comentou sobre o ocorrido entre Arthur e Ângelo, além de relatar casos de racismo vivenciados por ela mesma durante sua carreira no esporte.

Não tenho falado muito sobre essa questão do Ângelo e do Nory. Eu conheço os dois desde que eles tinham oito anos e tem muita coisa atrás dessa história que as pessoas não sabem. Então, se eu não vou ajudar, não vou atrapalhar. Eu já conversei muito com os dois. Muita gente não sabe, mas eles eram melhores amigos e antes do ocorrido, já tinha acontecido muita coisa, declarou Daiane.

DEFESA DE ÂNGELO

Após as acusações de Gabriel e Vinicius, Ângelo também se pronunciou em seu Twitter e negou todas os relatos acerca de seu comportamento. O atleta ressaltou sua amizade e o talento de Gabriel, abordando mais uma vez como foi desligado do meio esportivo após o episódio de denúncia de racismo.

“Eu desconheço estas acusações que vieram à tona no final de semana. Fiquei surpreso e chocado com estas acusações, até porque não compartilho com este tipo de comportamento retrógrado”, declarou.