Música às 01:00

Produtor do BTS se tornou o empregado mais bem pago da Coreia do Sul

Pdogg em selfie no estúdio

Reprodução/Instagram

O produtor coreano Kang Hyo-won, conhecido como Pdogg, que está por trás do sucesso do BTS, é o empresário mais bem pago da Coreia do Sul neste ano.

Segundo a revista Billboard, Kang Hyo-won é o principal produtor de vários dos sucessos do grupo, incluindo Blood Sweat & Tears, DNA, Idol, Black Swan, e faturou no curto período de janeiro a julho de 2021, mais de 40 bilhões de won (US$34 milhões ou R$ 180 milhões).

Esse valor fez com que o homem de 37 anos se tornasse o funcionário mais bem pago de qualquer empresa sul-coreana, até agora.

Além de produtor, ele é compositor e letrista sul-coreano e trabalha na companhia Big Hit.​

Veja+: Fãs comemoram 1 ano de Dynamite!

Além do BTS ele trabalhou para artistas como 8Eight, Baek Ji-young, Jo Kwon e Lim Jeong-hee, entre outros.

Em 2019 ele recebeu o prêmio MAMA (Mnet Asian Music Awards) pelo terceiro ano consecutivo como Melhor Compositor do Ano.

Na época ele agradeceu o reconhecimento, dizendo: “Eu gostaria de agradecer a todos os membros da família Big Hit que estão trabalhando juntos na música, e vou retribuir com álbuns ainda melhores. E a alegria de ganhar o prêmio com Shi Hyuk-haeng e o Diretor Lumpens @lumpenss dobrou”, indicou.

Veja+: BTS lidera indicações para os Meus Prêmios Nick

PROCESSO À VISTA

A HYBE Labels, empresa responsável pela carreira do BTS, entrou com um processo na Corte do Distrito Central de Seul, na Coreia do Sul, contra um autor e uma editora que vem promovendo livros não autorizados sobre o grupo.

Segundo o site KBIZOOM, mais de 50% do conteúdo dos livros são letras de músicas, antigas entrevistas do BTS e fotos do grupo, mas nada disso contém a autorização da HYBE. O conglomerado detém todos os direitos autorais e de conteúdos do septeto.

A empresa reivindica que os materiais sobre o BTS são resultados de muitos investimentos e esforços. Sendo assim, não podem ser usados por terceiros, com fins lucrativos.

Existem também as questões legais de cada país. No Brasil e nos Estados Unidos, por exemplo, editoras e escritores são protegidos pela liberdade de expressão, garantida por lei. Biografias não autorizadas, por exemplo, são publicadas o tempo todo.

Como o caso corre na Coreia do Sul, a situação acaba recebendo outros rumos. Há também a questão da editora processada já ter publicado quatro livros sobre a banda e mais de 50% do conteúdo é de fotos, letras e entrevistas.

Para a HYBE, esse material oficial não é disponibilizado para o uso de terceiros e ainda apontou uma “concorrência desleal” com os produtos chefiados por ela.

A editora nem o autor apareceram para prestar depoimento. Mesmo assim, o juiz responsável pelo caso decidiu não aceitar o pedido de processo da HYBE para que os livros deixem de ser comercializados imediatamente.

VEJA TAMBÉM

Império: Saiba como será o reencontro do Comendador e Maria Marta

Após término, Luísa Sonza diz que ainda ama Vitão: ‘Ninguém nunca vai abalar’

Camilla de Lucas e Gil do Vigor saem em defesa de Vitão após ataques

Sérgio Reis recebeu R$ 400 mil de entidades do Sistema S mantidas pelo transporte

Angélica mostra novo visual com cabelos mais curtos