Redes Sociais às 12:23

Emoção! Irmã de Paulo Gustavo ganha homenagem especial da mãe em aniversário

juliana-amaral-em-meio-a-flores

Reprodução/Instagram

Juliana Amaral, irmã de Paulo Gustavo, começou o dia de uma forma especial. A produtora cultural, que perdeu o irmão para a Covid-19 em maio deste ano, está completando mais um ano de vida nesta quarta-feira (28) e ganhou uma homenagem da mãe, Déa Lúcia.

Veja+: Filhos de Paulo Gustavo ganham livro infantil emocionante sobre a história do pai

No Instagram, a mãe de Paulo Gustavo compartilhou um clique da filha ao lado de um lindo arranjo de flores e fez uma declaração super carinhosa para a amada.

“Minha filha amada. Hoje e todos os dias são seus. Parabéns. Felicidades e muitas bênçãos. Te amo”, escreveu Déa.

Veja+: Tatá Werneck relata sonhos com Paulo Gustavo

Nos comentários, alguns famosos aproveitaram para também mandar uma mensagem para Juliana. “Muita saúde, alegria e amor pra Ju”, postou Regina Casé. “Viva! Parabéns”, disse a jornalista Ana Paula Araújo. “Parabéns, querida! Saúde e proteção na tua vida, sempre”, desejou Didi Wagner.

Veja+: Cantora? Mãe de Paulo Gustavo solta a voz e aposta em carreira musical

Esse é o primeiro aniversário de Juliana longe do irmão. Paulo Gustavo morreu por complicações da Covid-19 em maio deste ano e comoveu o Brasil inteiro com a sua partida.

SAUDADE DE PAULO GUSTAVO

Mesmo que esteja lutando contra a ausência de Paulo Gustavo, Juliana está sempre reforçado que a saudade que sente irmão ainda é muito grande. Recentemente, ela refletiu sobre os dois meses desde que o familiar foi embora e emocionou os seguidores com a homenagem.

“2 meses irmão. Bizarro! Jesus, me dê forças para aguentar, para não enlouquecer! Te amo pra sempre, Tatau. Poxa vida!”, escreveu.

Veja+: Mãe de Paulo Gustavo resgata clique em família emociona

Nos comentários, fãs deixaram mensagens de apoio à produtora cultural. Assim como dona Déa Lucia, mãe de Paulo Gustavo e o marido do ator, o médico Thales Bretas, Juliana ficou todo o tempo ao lado do artista, no período da internação.

“Amores força aí maninha e que te chegue uma energia de extra de serenidade e firmeza!”, escreveu o ator Fernando Sampaio.

Veja+: Irmã de Paulo Gustavo posa com os sobrinhos: ‘Minha força’

MORTE DE PAULO GUSTAVO

Paulo Gustavo morreu na noite do último dia 4 de maio. Aos 42 anos, o humorista lutava bravamente contra as complicações da Covid-19. Paulo Gustavo estava internado desde o dia 13 de março. O hospital enviou o seguinte comunicado:

“Às 21:12h desta terça-feira, 04/05, lamentavelmente o paciente Paulo Gustavo Monteiro faleceu, vítima da COVID-19 e suas complicações. 

Em todos os momentos de sua internação, tanto o paciente quanto os seus familiares e amigos próximos tiveram condutas irretocáveis, transmitindo confiança na equipe médica e nos demais profissionais que participaram de seu tratamento.  

A equipe profissional que participou de seu tratamento está profundamente consternada e solidária ao sofrimento de todos.”

Paulo Gustavo Amaral Monteiro de Barros nasceu em Niterói, estado do Rio de Janeiro, em 30 de outubro de 1978. 

Ator, humorista, diretor, roteirista e apresentador, despontou para o sucesso em 2006, com o lançamento do monólogo Minha Mãe É uma Peça. Ganhador do Prêmio Shell de Melhor Ator, em 2006, Paulo Gustavo formou-se em 2005 na Casa das Artes de Laranjeiras, que tinha ainda como alunos Fábio PorchatMarcus Majella, entre outros.

Dono de uma personalidade versátil e multifacetada, ele sempre se assumiu como uma pessoa hiperativa. Essa santa hiperatividade pode ser conferida em todos os seus trabalhos e personagens.

Minha Mãe é um Peça, lançada em 2006, conta a história de Dona Hermínia, mãe, dona de casa e mãe super protetora  que ama seus filhos, mas vive a beira de um ataque de nervos, estressada sempre que seu rebentos saem dos trilhos. A personagem é inspirada na mãe do humorista, dona Déa Lúcia, e em seu relacionamento com a família.

“O Brasil sempre precisa de mais humor. O humor cura, transforma e,
principalmente, educa”, disse Paulo Gustavo em entrevista a GQ

Fenômeno de publico que percorreu o Brasil, Minha Mãe é uma Peça abriu as portas para os seus primeiros trabalhos na televisão, onde estreou em 2011, com a série 220 Volts escrita por ele em parceria com o roteirista Fil Braz. O programa marcou a estreia de Dona Hermínia na TV em esquetes curtos, rodados na sala de estar de uma casa típica de classe média. Os episódios eram gravados sem cortes ou pós edição, em um formato bem semelhante ao teatro.

Em 2013 Dona Hermínia virou estrela de cinema com o longa-metragem  homônimo ao monólogo. Recorde de publico e aclamado pela critica, foi o filme mais assistido do ano no Brasil.

Dois anos depois, em 2015, foi a vez de Minha Mãe é uma Peça ocupar as prateleiras das livrarias. Lançado pela editora Objetiva o livro fez tanto sucesso que ganhou outras edições, Minha Mãe é uma Peça 2 (2016) e Minha Mãe É uma Peça 3 (2019).

PRIMEIROS PASSOS

Em 2004, ainda como estudante da CAL, Paulo Gustavo apresentou Dona Hermínia ao publico atuando no elenco da peça Surto. Em janeiro de 2005, já formado, ele deixou o elenco de Surto e estreou ao lado de Fabio Porchat com a peça Infraturas.  No palco, os dois protagonistas se revezam em quadros retratando manias e agruras do cotidiano.

Em junho de 2013 foi a vez da sitcom Vai que Cola, também do Multishow. O programa foi adaptado para o cinema em 2015. Em 2014, no mesmo canal, foi a vez do reality show Paulo Gustavo na Estrada.

No ano de 2017 deixou o Vai Que Cola e estreou o seriado A Vila, escrito por Leandro Soares. Neste projeto ele dividia a cena com Katiuscia Canoro.

Em 2018 Minha Mãe é uma Peça se transformou em um DVD gravado na Concha Acústica do Teatro Castro Alves em Salvador.

NOS TEMPOS DO COLÉGIO

Em 20 de dezembro de 2015 casou-se com o dermatologista Thales Bretas. Dois anos depois o casal anunciou que iriam ser pais de um casal de gêmeos, chamados Gael e Flora. As crianças foram concebidas através de uma barriga de aluguel, mas os bebês faleceram em um aborto espontâneo. Mas eles não desistiram da paternidade e em 18 de agosto de 2019, em uma postagem em seu Instagram, Paulo Gustavo anunciou o nascimento dos filhos do casal, Romeu e Gael, gerados em barrigas de aluguel diferentes.

A IMPORTÂNCIA DO HUMOR

“Acho que o humor pode funcionar como uma forma leve de crítica social. Minha personagem Senhora dos Absurdos, por exemplo, é preconceituosa, homofóbica. Mas essa não é uma questão simples. Aquele que está fazendo a crítica por meio do humor opera em uma linha tênue: até que ponto estou criticando um comportamento e até que ponto estou disseminando esse comportamento?”

COVID-19

  • Em 13 de março de 2021 Paulo foi internado no hospital Copa Star, no Rio, com diagnóstico de COVID-19. Passados 15 dias de internação, em 2 de abril seu quadro clínico piorou e o ator foi intubado para terapia de oxigenação por membrana extra-corporal, uma espécie de “pulmão artificial”, que efetua a absorção do oxigênio quando o órgão apresenta comprometimento severo.
  • 15 de abril, um mês depois da internação, a equipe médica que cuida do ator revelou que não detectou mais hemorragias e o ator apresentou normalização da coagulação nas 48 horas que antecederam o boletim.
  • No dia 26 de abril, após a descoberta de uma pneumonia, o boletim informou que Paulo Gustavo seguia no Serviço de Terapia Intensiva e ainda se encontra em situação grave, em uso de ventilação mecânica e ECMO. Após algumas intervenções cirúrgicas e broncoscópicas, além de mudanças na conduta clínica, ele apresentou sinais de recuperação.
  • Em 03 de maio, depois de dar muitas esperanças quanto à sua recuperação após contrair a Covid-19, Paulo Gustavo teve mais uma atualização em seu estado de saúde com uma súbita piora, inclusive, sua situação sendo considerada de extrema gravidade. O ator, após redução dos sedativos e do bloqueador neuromuscular, acordou e interagiu bem com a equipe profissional e com o seu marido, Tales Bretas. À noite, subitamente, houve piora acentuada do nível de consciência e dos sinais vitais, quando novos exames demonstraram ter havido embolia gasosa disseminada, incluindo o sistema nervoso central, em decorrência de uma fístula bronquíolo-venosa.