Covid-19 às 15:40

Zeca Pagodinho é internado com covid-19 no Rio de Janeiro

Zeca Pagodinho olhando para a câmera, de camiseta preta

Foto: Reprodução Instagram

A pandemia do coronavírus continua a todo o vapor, e mesmo com o avanço da vacinação contra a covid-19, é importante que os cuidados sejam mantidos para se prevenir ainda mais infecções.

Zeca Pagodinho, um dos maiores nomes do samba brasileiro, está internado por conta de um diagnóstico positivo da doença desde sexta-feira, 13 de agosto, na Casa de Saúde São José, no Rio de Janeiro.

De acordo com o local de saúde, ele está internado para monitoramento e tratamento, e felizmente, apresentando um bom estado geral dentro do possível, apenas com sintomas leves e sem necessidade de oxigênio.

Vale ressaltar que o cantor tomou as duas doses da vacina contra a covid-19, que não são infalíveis em impedir a infecção da doença, mas diminuem drasticamente os riscos dela, principalmente em relação a casos moderados e graves, que podem levar a hospitalização em estado grave e até mesmo a morte, e por isso são o principal meio de frear a pandemia do coronavírus.

Os cuidados e protocolos de segurança devem ser mantidos mesmo com o avanço da vacinação, pois eles impedem que o vírus continue circulando livremente e gerando novas variantes evoluídas, e estas variantes dependendo da evolução podem até mesmo burlar o sistema imunológico vacinado.

SILVIO SANTOS SE RECUPERA EM CASA DA COVID-19

Na última sexta-feira, dia 13 e agosto, um susto tomou conta dos noticiários e da família de Silvio Santos. O dono do SBT foi internado, após testar positivo para a covid-19.

No sábado, a notícia maravilhosa foi de que Silvio já havia recebido alta e agora segue com os cuidados, tratamento e isolamento em casa, para curar de vez a doença.

Neste domingo, dia 15 de agosto, Silvinha Abravanel, filha do apresentador, mostrou, mais uma vez, sua fé e postou uma mensagem bíblica, parte do Salmo 91, em suas redes sociais.

“Bom e abençoado dia para você e sua família. Mal nenhum chegará a minha tenda (Salmo 91). Bispo Bruno Leonardo, Deus te guarde e guarde tua família de todo mal, amém.”

Post de Silvinha Abravanel, com parte do Salmo 91
Sílvia Abravanel compartilha Salmo após alta de Sílvio Santos (Reprodução/Instagram)

POR QUE AS PESSOAS CONTRAEM COVID-19 MESMO APÓS TOMAR SEGUNDA DOSE DA VACINA?

O OFuxico conversou com o pneumologista Dr. João Carlos de Jesus (CRM 150.213), que explicou que a vacina não impede que a pessoa contraia a doença e nenhuma das que são oferecidas têm 100% de proteção.

“Eu queria chamar a atenção para dois pontos, o primeiro é que nenhuma vacina vai conferir 100% de proteção à população vacinada e isso por características de variação do sistema imunológico e dos indivíduos. Apesar da vacina ser eficiente em apresentar estruturas do vírus e o nosso corpo aprender a conhecê-lo sem adoecer e assim antecipar uma resposta com anticorpos e células de defesa, indivíduos que tenham uma fragilidade, alguma comorbidade ou mais idosos podem não gerar uma resposta tão eficiente e, quando entram em contato com o vírus, pode ocorrer a infecção e evoluir para a forma grave”, disse.

VEJA +:

Tarcísio Meira não pensava em se aposentar antes da pandemia

Cena comovente de Tarcísio Meira e Paulo José viraliza na web

Outro fator importante é que as vacinas apresentam ao corpo humano algumas estruturas do vírus para que nosso corpo possa reconhecê-las de forma antecipada.

“A maioria das vacinas trabalha com o conceito de apresentar uma proteína que está na superfície do vírus que se chama ‘spike’, que é utilizado pelo coronavírus para se conectar às nossas células e a partir disso causar a infecção. Com a vacina, nosso corpo consegue bloquear e neutralizar o vírus, mas, quando uma mutação do vírus acontece, que são as variantes, a vacina pode não ser eficiente em produzir anticorpos contra ela e enganar nosso sistema imunológico e desenvolver a Covid-19 em sua forma grave”, explicou o médico.

Dr. João Carlos ainda reforça que, apesar dos questionamentos de parte da população, todas as vacinas distribuídas no Brasil são eficientes no controle do número de casos e da diminuição dos números de casos graves de Covid-19, mas fez uma ressalva.

“Em relação a uma vacina ser mais eficiente que outra, ainda não é possível se falar algo de uma forma geral, porque a medida que surgem novas variantes, precisam ser feitas novas análises sobre a eficiência da vacina em cima de cada variante. Mas o que é fato é que todas que são distribuídas no Brasil reduzem os casos e os casos de gravidade. O recado que fica é que a população se vacine para reduzir a transmissibilidade e assim a gente consiga um controle maior da doença”, alertou.

VEJA TAMBÉM:

Ronnie Von se despede de Tarcísio Meira: “Tristeza monumental”

Pedro Bial relembra a última entrevista com Tarcísio Meira

O médico ainda se atentou ao fato que a população se preocupa com os efeitos colaterais da vacina, mas é preciso se preparar para tomar o imunizante.

“Uma dica é que você se prepare para a vacinação. Muitas vezes as pessoas estão preocupadas com os efeitos colaterais, mas é importante que você se apresente para a vacinação depois de uma boa noite de sono, bem alimentado, se sentindo bem para que consiga ter uma boa resposta”, disse.